Mulher em Belém!

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Violência contra a mulher e Eduardo Cunha: as mulheres foram às ruas dizer não!






























O ato reuniu feministas de diversos coletivos, partidos e grupos culturais de Belém (Foto: Rafael Monteiro)

“A realidade de extermínio das mulheres, em especial as negras, não pode ser ignorada. Seja com agressões ou com a falta de políticas públicas que busquem oferecer tratamento e direitos iguais à mulheres, a violência é uma realidade do Estado. É necessário ir às ruas para mostrar que não vamos aceitar essa situação”.  O pensamento de Antônia Luzia, funcionária pública de 52 anos, foi compartilhado pelas dezenas de pessoas que ocuparam as avenidas Nazaré e Magalhães Barata, no centro de Belém, durante o 2° Grande Ato contra Cunha e pela Vida das Mulheres, que ocorreu na noite desta quarta-feira, 25.

As manifestantes, formadas principalmente por mulheres e por membros de movimentos políticos, se concentraram a partir das 17h no Centro Arquitetônico de Nazaré – o CAN, iniciando então a tomada das ruas no cortejo rumo ao mercado de São Brás. Bandeiras, faixas e palavras de ordem eram compartilhadas pelas participantes, que buscavam dialogar com a população presente sobre a necessidade do ato.

O Brasil subiu da sétima colocação para a quinta entre os países que mais matam mulheres. Em média, 13 por dia, além das cinco mulheres agredidas a cada dois minutos.

“Hoje é celebrado o Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher, mas fazemos esse ato para mostrar o quanto o país está atrasado nesse sentido”, continuou Antônia. E ela tem bons argumentos: segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil subiu da sétima colocação para a quinta entre os países que mais matam mulheres. Em média, 13 por dia, além das cinco mulheres agredidas a cada dois minutos.

Outro ponto de destaque da manifestação foi a saída do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e a rejeição do Projeto de Lei 5.069, que impõe restrições a procedimentos abortivos, incluindo o uso da pílula do dia seguinte. “Um homem branco, cisgênero, hétero e cristão não pode impor sua vontade contra as mulheres. Principalmente um homem envolvido em tantos crimes”, afirmou a estudante Larissa Dias, de 19 anos. “Temos que ir para as ruas. Se empurrar, o Cunha vai cair”.

O cortejo seguiu pelas vias da capital paraense, sempre levantando casos e questões sobre a violência, em especial no caso de negras, moradoras da periferia, lésbicas e mulheres trans, até chegar ao seu ponto principal, em frente à Seccional Urbana de São Brás. Lá, bonecas encobertas com lençóis foram colocadas nas ruas, em memória às vítimas da violência no Pará.
























Em frente à Seccional Urbana de São Brás, uma mística rememorou mulheres assassinadas no Pará  
(Foto: Rafael Monteiro)

“Maria,39 anos, morta estrangulada pelo ex-marido em Belém”, falavam no megafone.  “Luzia, 25 anos, morta a facadas em Itupiranga”. Cada nome e história faladas eram sentidas por todas as presentes, que acompanhavam o ato em silêncio. “Mulher desconhecida, com idade entre 25 e 30 anos, encontrada morta a facadas no bairro da Marambaia”.

“O Pará conta com cinco casas abrigo, 16 delegacias da mulher e nove varas de Justiça para crimes contra a mulher. Jatene e prefeitura são omissos“, disse Gizelle Freitas, participante do ato.

A manifestação encerrou em frente ao Mercado de São Brás, onde os participantes realizaram uma roda de batuque. “O governo Dilma investiu, em média, R$0,26 em cada mulher. O Pará conta com cinco casas abrigo, 16 delegacias da mulher e nove varas de Justiça para crimes contra a mulher. Jatene e prefeitura são omissos. A PL 5069 é um ataque. A violência é real. As mulheres precisam se unir, junto com os homens, impor uma mudança nesse cenário. É necessário que se faça o coletivo contra estes atos”, completou Gizelle Freitas, participante do evento.

Cada uma das presentes se fez ouvida no ato, deixando a mensagem de que a violência é real, mas que a busca pelo seu fim também. O silêncio sobre o assunto, pelo menos, não existe mais. E nunca irá retornar.

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última