Fechamento de turmas

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
A Seduc se recusa a encaminhar representante para esclarecer sobre o fechamento de turmas. O portal Outros400 publicou as perguntas a serem respondidas.        
Após a publicação da matéria “Fechamento de Turmas”, na última quarta (9), sobre o fechamento de turmas e turnos de escolas estaduais, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) se posicionou através de nota, refutando a possibilidade de entrevista sobre o assunto. 

“A Seduc informa que desde 2011 vem sendo  realizado um estudo para identificar a necessidade de oferta de vagas nas escolas estaduais. Para isso está sendo formada uma comissão de técnicos da Secretaria visando à identificação das reais necessidades de cada comunidade para adequação da oferta no próximo ano letivo”, informou a secretaria. “Checamos a sua demanda sobre um entrevistado, mas, no momento, não há possibilidade de ser atendida. Os técnicos nos responderam que ainda é prematuro se falar acerca do estudo.”

“(…) quem vai sofrer as consequências dessa política perversa não tem tempo pra descansar e esperar a hora de ser atacado em seus direitos”, afirma Williams Silva, diretor de comunicação do Sintepp.

Sobre a nota da Seduc, o diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp), Williams Silva, declarou que “quem vai sofrer as consequências dessa política perversa não tem tempo pra descansar e esperar a hora de ser atacado em seus direitos”. O Sintepp realizou, no último dia 10,  uma audiência pública para discutir as medidas do governo do Estado. 

Segundo Williams, o sindicato deve “continuar incentivando o debate nas regionais e subsedes do Sintepp pelo interior”. “Se a  Seduc insistir em copiar essa idéia dos tucanos paulistas, mais uma vez, como foi o caso da Municipalização em 1997, no governo de Almir Gabriel,  não terá trégua por parte do Sintepp e das entidades estudantis”, completou o sindicalista.

Como a Seduc se recusa a enviar um representante institucional para tratar do assunto, o portal Outros400 publica a seguir as perguntas que devem ser respondidas pela secretaria. 

1. Tivemos acesso a um material impresso, distribuído nas escolas, que orienta o condicionamento de oferta de turmas a um número mínimo de alunos. Essa é uma orientação oficial?

2. As escolas listadas na matéria terão turmas encerradas? Qual a justificativa para isso?

3. Além das unidades citadas, existe o risco de outras escolas terem suas turmas fechadas?

4. Se há, de fato, baixa procura por determinados turnos, a que a Seduc atribui esse déficit?

5. Como ficará a situação dos professores que terão suas cargas horárias diminuídas?

6. Existe alguma consulta à comunidade escolar por parte de secretaria para decidir esse tipo de reorganização? Os alunos podem participar da escolha de quais instituições irão concentrar essas turmas reorganizadas?

7. Essa reorganização pode culminar no fechamento total de unidades como iria acontecer no estado de São Paulo?

8. Quantos alunos serão impactados com o fechamento de turmas?

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última