Lugar de Mulher

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Iniciativas feitas por e para mulheres compõem várias atividades no cotidiano de Belém, entre oficinas, cursos e serviços. Juntas, elas buscam mais espaços para se expressar.           

Alguns cursos e oficinas, cooperativas de táxis e revistas são elementos que, de tão corriqueiros no ritmo diário da cidade, passam sem serem notados. A diferença, neste caso, é que eles são todos conduzidos apenas por mulheres. E mais que isso: são direcionados prioritariamente a mulheres. O feminismo vem se fortalecendo em Belém através de iniciativas que buscam outras formas de organização frente ao modelo patriarcal que, historicamente, favorece aos homens. São mulheres que sentem a necessidade de ampliar as suas possibilidades e formar uma rede junto de outras mulheres a partir de trocas e compartilhamento de experiências e conteúdos, além de autogestão.

Somente na semana passada, pelo menos duas oficinas e cursos tiveram como público alvo as mulheres. Foi o caso da oficina “Autodefesa para mulheres e outras corporalidades em risco”, organizada pelo coletivo Vacas Profanas, e o curso “Mulher pode ser drag? Empoderamento feminino e desconstrução de gêneros pela arte drag”, com a jornalista e escritora Monique Malcher, que facilitou a primeira ação com este tema na cidade. Aos domingos, na praça da República, é possível curtir o batuque do grupo “Mulheres do fim do mundo”, coletivo que nasceu de uma oficina de canto feminista.























O trabalho da grafiteira Michelle Cunha: inserção em um espaço em que a mulher geralmente se sente vulnerável.

Estes são somente alguns exemplos recentes de uma cena que está crescendo e se fortalece cada vez mais em Belém. Os cursos, as oficinas e as iniciativas de e para mulheres  não se referem apenas à inserção no mercado de trabalho. Ideias e projetos como esses extravasam para debates e espaços alternativos, intelectuais, artísticos e mesmo marginalizados. É que a simples presença e a representatividade femininas, em palcos antes dominados por homens, são uma transgressão necessária para a construção de novos valores.

NO PALCO

“Por que só para as mulheres? Todo mundo pergunta isso. Eu falo que a gente tem que equilibrar as coisas, ter mais artistas mulheres fazendo drag pra equiparar, para correr igualitário, juntos, mas mostrar também que o gênero não importa na arte”, explica a escritora Monique Malcher sobre o curso que terminou na semana passada no SESC e teve, ainda, uma apresentação final com as participantesmontadas em suas novas personagens drags. Segundo ela, muitas não imaginavam ser capazes de fazer isso, ou tinham medo de se expor: “Mas no final elas se doaram, elas viram isso como uma possibilidade de se libertar, de dizer ‘esse é o meu corpo, mas eu vou falar da forma que eu quiser’”, comenta.

Monique iniciou como drag a partir das festas do coletivo Noite Suja, quando montou sua personagem “Cílios de Nazaré”, a partir da necessidade de colocar o “corpo em ação”. “E, então, eu pensei: eu não quero mais me esconder, não quero mais usar só as palavras, quero também mostrar que eu tenho o meu corpo como forma política e posso falar através dele.”

São mulheres que sentem a necessidade de ampliar as suas possibilidades e formar uma rede junto de outras mulheres a partir de trocas e compartilhamento de experiências e conteúdos, além de autogestão.

Ela comenta que o palco foi um espaço negado por muito tempo às mulheres, assim como a própria cultura drag que, mesmo marginalizada, também é masculina. “Quanto ao machismo, existe, sim, mas não entre as drags”, inicia Monique. “Existe o machismo tanto do homem hétero, que vê a drag como um objeto sexualizado, porque os homens mexem com ela, tem assédio, agressão. Mas também existe uma coisa que a gente precisa falar que é o machismo no meio LGBT, porque acham que esse é um território somente de homem gay, quando qualquer um pode fazer drag, de qualquer sexualidade”, pondera a jornalista.

NA RUA

A artista paraense Michelle Cunha já ofertou cinco oficinas de grafite para mulheres. Ela diz que o espaço da arte de rua também é um ambiente de domínio masculino, mas que isso está mudando. “Essa história de você estar aprendendo com outra mulher é como se quebrasse um pouco essa timidez, essa falta de coragem, e acho que se torna mais fácil. É por isso que eu estou tendo uma resposta muito grande em relação a isso, sempre tem muitas meninas interessadas”, avalia Michele Cunha, lembrando que a rua, onde a prática do grafite acontece, é um ambiente em que a mulher sente vulnerabilidade.




















A grafiteira Michelle Cunha já ofertou cinco oficinas de grafite para mulheres. 

Segundo ela, a cena feminina no grafite foi muito influenciada pela vinda da grafiteira Dninja, de Minas Gerais, no ano de 1994, quando houve o primeiro Encontro de Cultura de Rua, em Belém. O evento foi marcante para o surgimento de uma cena entre elas. “Outras mulheres que viram uma mulher grafitando e começaram a grafitar e hoje são super fortes na cena: a Drika Chagas, a Mina Ribeiro, a Celly estavam nesse início”, conta. Ela também aponta como marco a formação da Freedas CREW, um coletivo de mulheres que nasceu de suas oficinas há um ano e hoje atua na cidade.

Também no ambiente da rua, mas em outra atuação bem diferente, está a cooperativa Lady’s Taxi, que está há quatro meses em atividade nas ruas de Belém. O público feminino é o principal cliente. A motorista e cooperada Andreza Araújo conta que a demanda maior é “por segurança principalmente”. “Nos relatos das clientes que eu venho pegando, 99% reclamam por assédio de outros taxistas homens. Ainda mais quando sai de festa meio bebida”, conta a taxista. A cooperativa é a primeira do Brasil somente com mulheres e cuja frota já conta com 14 táxis.


Andreza Araújo, do Lady’s Taxi: serviço voltado principalmente para mulheres para evitar o assédio das passageiras.

NA WEB

Fora das ruas, muitas mulheres vêm se organizando também em espaços virtuais, blogs e páginas nas redes sociais, como forma de ter voz em plataformas mais democráticas e abrangentes. A escritora paraense Paloma Franca Amorim, que mora em São Paulo, organiza a revista virtual Eneida, projeto recente que publica mulheres. “As categorias são importantes agora enquanto estratégia política, mas acho que a ideia da Eneida, inclusive em relação a essa temática de gênero, é, sobretudo, usar nossa cabeça pra falar o que a gente quiser, do jeito que a gente quiser”, explica a escritora.

Na visão da Paloma, a mulher tem uma força muito grande ao produzir uma representação sobre si. Isso, para ela, é um avanço incontestável. No entanto, ela aponta que o machismo também está presente quando se tenta segregar a criação literária dela e de outras escritoras feministas como literatura de gênero somente, quando, na verdade, são temas universais “É saber que a gente hoje passa a ser reconhecida como feminista, mas a gente é chamada só pra falar de feminismo em seminários, encontros, espaços, plataformas literárias”, afirma Paloma. “E são mulheres que estão ocupando outros espaços, da arte, da rua, a gente quer falar sobre estética.”

A revista Eneida é inspirada na escritora paraense Eneida Moraes, que nasceu em 1904, em Belém, e morou durante anos no Rio de Janeiro, com intensa atividade política durante a ditadura civil-militar implantada por Getúlio Vargas. Paloma diz que, além do espaço de escritora, é importante conquistar cada vez mais mulheres leitoras e recomenda. “Eu acho que a mulher deve escrever literatura, escrever o que quiser. Todas nós temos que escrever pelo menos uma frase por dia, para se elaborar, refletir, pensar o mundo. E aí, se quiser, faça o seu livro, faça seu blog, faça acontecer.”

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última