Ciberativismo

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
O ativismo paraense ganha uma nova iniciativa nos meios digitais, a organização Minha Belém. De caráter apartidário, o grupo utiliza a internet como campo de reivindicações políticas.
Imagine uma obra inacabada ou um serviço que deixou de ser prestado em Belém, seja pela prefeitura, governo do Estado ou algum órgão federal. A população busca uma solução: é preciso pressionar os tomadores de decisão, políticos diretamente envolvidos com o descaso, para que se retome a obra ou serviço. Afora os protestos nas ruas, os debates nas assembleias legislativas e outros modelos tradicionais, há um mundo de possibilidades no âmbito digital: uma saída que pode vir do celular. Dando novo vigor ao ativismo paraense, foi lançada a iniciativa Minha Belém, uma organização que busca ofertar ferramentas digitais para o campo político. Com pautas de luta propostas por cidadãos comuns, a Minha Belém pretende mostrar como pressionar políticos usando o celular e o computador. Imaginou uma obra? Bem que podia ser a conclusão do BRT.
 


Os jornalistas Pedro Cruz e Alexandre Gibson desenvolvem ferramentas digitais como forma de mobilização social (Foto: Klewerson Lima)
A iniciativa se inspirou em outras organizações, como a Minha Sampa (SP) e Minha Jampa (João Pessoa-PB) e, teve como interlocutores, dois jornalistas que viram a possibilidade de transformar a realidade de Belém a partir do engajamento político. Tudo a partir do universo digital! “Eu observava os problemas da cidade, vivia e até noticiava, mas não via resolução. Nada era de fato resolvido”, conta o jornalista Alexandre Gibson, um dos fundadores da Minha Belém. “A mobilização estava lá, mas o poder público não se sentia incomodado. Eram mobilizações efêmeras, que surgiam e se perdiam.” Foi a partir desse panorama que ele começou a buscar formas de atuar politicamente. E uma das inspirações foi o Meu Rio.
 
A falta de resoluções para problemas relativos à cidade foi o que motivou, em primeiro plano, a dupla de jornalistas a trazer a Belém uma iniciativa que já ocorre noutras capitais brasileiras
No mesmo sentido, o jornalista Pedro Cruz, também fundador da Minha Belém, sentia a necessidade de se engajar politicamente ao observar a cidade. “Eu me sentia incomodado com os rumos que Belém tomava”, explica o jornalista. “Era algo como ver a cidade abandonada e não ver as pessoas se organizando para resolver.” A falta de resoluções para problemas relativos à cidade foi o que motivou, em primeiro plano, a dupla de jornalistas a trazer a Belém uma iniciativa que já ocorre noutras capitais brasileiras e que compõem a rede Nossas Cidades. “A Minha Belém é uma ação de ativismo social e digital. Ela utiliza ferramentas digitais, a princípio, para mobilizar a sociedade”, completa Alexandre.
 
Para materializar objetivos políticos, os jornalistas procuram difundir na cidade duas formas básicas de atuação: a Panela de Pressão e o Legislando, ferramentas digitais para atingir benefícios aos cidadãos. “Na Panela de Pressão, a ideia é lotar de mensagens os tomadores de decisões, com um objetivo definido, seja por Facebook, Twitter ou e-mail”, explica Gibson. Já o Legislando é uma plataforma digital em que cada cidadão poderá acessar e criar um Projeto de Lei, com auxílio de especialistas e informações básicas para a formatação da nova lei. “Aí, então, encaminhamos o projeto popular a um deputado ou vereador que adote a iniciativa. A partir disso, começa a pressão nos demais para a aprovação.”
 
Segundo Gibson, a proposta pretende se manter apartidária, já que “precisam de autonomia para realizar, pressionar, independente de partidos”. (Foto: Klewerson Lima)
Mas, isso tudo, para o futuro. Neste momento, a iniciativa busca colaboradores. É que, para o ponta pé inicial da Minha Belém, que será formalizada como uma ONG, os jornalistas precisam de R$ 20 mil para aquisição das ferramentas e criação da plataforma. É por isso que eles criaram, no final de abril, uma campanha de financiamento coletivo cujo objetivo é arrecadar os fundos necessários. “Nós, Gibson e eu, somos voluntários. Esse dinheiro é para os custos iniciais do projeto”, esclarece Pedro Cruz. Uma vez definida, a proposta pretende se manter apartidária, já que “precisam de autonomia para realizar, pressionar, independentemente de partidos”, completa Gibson.

“As pessoas podem se engajar, participar politicamente, mesmo sem estar vinculadas a um partido”

A campanha pode ser acessada no site da Minha Belém. Lá, os interessados em doar podem conhecer os detalhes da iniciativa. Aos doadores, além de colaborar com a materialização de ações políticas, há contrapartidas, como adesivos, vagas em workshop e cortesias em restaurantes, além de passeios de caiaque pela orla de Belém e camisas de Remo e Paysandu autografadas por jogadores das equipes. “As pessoas podem se engajar, participar politicamente, mesmo sem estar vinculadas a um partido”, argumentou Pedro Cruz. “As pessoas podem se engajar em causas que estão mais próximas do que elas imaginam.”

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última