Aborto

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
O segundo texto da série construída somente por autoras traz para o centro do debate uma questão delicada: a necessidade da legalização do aborto no Brasil. A jornalista Wellingta Macêdo expõe os motivos para que a prática seja descriminalizada.
Era dia das mães. Segundo domingo de maio. 9. Aquele número ela jamais esquecerá. Passaram-se 6 anos, mas todo 9 de maio, seja dia das mães ou não, ela lembrará da data com um certo ar de melancolia e resignação. “Fiz o que tinha que ser feito”, repete isso a ela mesma como uma espécie de mantra. É uma sobrevivente. Sobreviveu a um aborto clandestino. Um detalhe importante: ela já era mãe de um menino.
A criminalização do aborto é fruto da cultura machista e patriarcalista brasileira 
(FOTO: Klewerson Lima)
Você deve estar se perguntando, aí do outro lado: “Mas por que ela fez isso?”, “Assassina”, “Como pôde ter tido coragem ?”, “Ela é mãe!”. Bom, para início de conversa, a prática do aborto existe desde a Antiguidade, segundo a Antropologia. Há indícios da prática de aborto com a utilização de ervas abortivas, o uso de objetos cortantes, a aplicação de pressão abdominal, entre outras técnicas. Isso é assim, até hoje. Segundo; a maternidade não impede que uma mulher faça abortos. De acordo com as estatísticas brasileiras, cerca de 850 mil mulheres abortam e dessas, 64% são casadas; 66% são católicas; 25% são protestantes ou evangélicas e 81% tem filhos. Terceiro; nós vivemos em uma sociedade patriarcal que simplesmente nega à mulher o direito ao seu próprio corpo e o seu poder de escolha. A maternidade é, até hoje, uma imposição na vida das mulheres, sobretudo às mais pobres. O machismo, uma ideologia da sociedade capitalista, educa a nós, mulheres, com a ideia equivocada de que nascemos para parir e para cuidar de nossos filhos porque somos aptas para isso. 

“A maternidade não deveria ser uma obrigação, mas sim , uma opção para a mulher.Nesse sentido, decidir se terá ou não um filho deveria ser um direito assegurado à mulher.”
A questão é que nem toda mulher quer ser mãe. A maternidade não deveria ser uma obrigação, mas sim , uma opção para a mulher. Nesse sentido, decidir se terá ou não um filho deveria ser um direito assegurado à mulher. Assim como o direito ao aborto. “Mas, péra aí, você quer que as mulheres tenham o direito a tirar a vida de bebês?”. Não, não é isso. 

Há muito preconceito, ignorância e desinformação a respeito do aborto. Por ser um tema extremamente delicado e que mexe inclusive com nossas crenças religiosas, há muitas falácias e mitos em torno do assunto, o que impede um debate mais franco e profundo. Primeiro, não se defende o aborto pelo aborto. Não conheci nenhuma mulher, até hoje, que bata no peito orgulhosa de ter feito um aborto. Principalmente porque a maioria das mulheres, no caso do Brasil, tiveram que se submeter a abortos clandestinos, já que a legislação brasileira proíbe a prática, considerando-a crime e com pena prevista de 1 a 3 anos. Há exceções apenas em caso de gravidez de risco para a mulher e estupro.

“As mulheres pobres das periferias, favelas, cuja maioria é negra, trabalhadora, assalariada e mãe, correm todo o tipo de risco na hora da realização do aborto.”
O problema aí é que: 1- As mulheres fazem aborto, independente da legislação proibir ou não. Há um negritado recorte de classe nesta questão, pois enquanto as mulheres ricas realizam seus abortos em clínicas particulares com toda a estrutura necessária, as mulheres pobres das periferias, favelas, cuja maioria é negra, trabalhadora, assalariada e mãe, correm todo o tipo de risco na hora da realização do aborto. Muitas morrem em verdadeiros açougues clandestinos. Se sobrevivem, correm o risco de serem presas.
2- Legalizar o aborto e descriminalizá-lo não significa que todas as mulheres vão sair abortando por aí. Esse é mais um dos mitos criados em torno do assunto. Significa assegurar, principalmente para as mulheres mais humildes, que em caso de ela decidir-se pela prática do aborto terá todas as condições necessárias para isso, sem correr risco de morte. Em países onde o aborto é legal como, por exemplo, o Uruguai, onde a lei que o assegura está em vigor desde 2012, mais de 6.000 abortos seguros foram realizados sem nenhum registro de morte.
“A maternidade pode ser sublime, quando decidida pela mulher, e não imposta”.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), cerca de 19 milhões de abortos inseguros são realizados e 70 mil mulheres no mundo morrem por conta disso. Descriminalizar o aborto, não punindo as mulheres pobres, da classe trabalhadora, é o primeiro passo para desmistificar mitos e lendas sobre o assunto. O aborto é uma questão de saúde pública e não caso de polícia.
Homens e mulheres, desde jovens, precisam aprender educação sexual, saber utilizar métodos contraceptivos que estejam disponíveis a ambos. No Brasil, a cada dois dias, uma mulher morre por causa de um aborto clandestino. Legalizar o aborto em nenhum momento se contrapõem ao fato de ser mãe. Ao contrário. Assegura-se com a prática legal sua liberdade de escolha, sua compreensão acerca de seu corpo e seu poder de decidir se deseja ou não ser mãe. A maternidade pode ser sublime, quando decidida pela mulher, e não imposta. Essa é uma luta árdua, difícil, porém,extremamente necessária, afinal, estamos falando de vida. É pela vida das mulheres! 

Wellingta Macêdo é jornalista, assessora de comunicação, atriz, militante do Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe e do Movimento Mulheres em Luta (MML)

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última