Representação feminina

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
A representação política da mulher e a cobertura midiática é o tema do artigo de Gabriela Sobral, jornalista e militante do movimento feminista.
A mídia deveria ser a instância de favorecimento e abertura do diálogo entre Estado, cidadãos e instituições, a fim de promover o debate na esfera pública com pluralidade, responsabilidade e considerando a importância social dos fatos. Ok. Mas a coisa funciona bem diferente. Ainda mais no contexto paraense, em que os meios de comunicação, velhas oligarquias e visões retrógradas convivem como irmãs. 
A atuação da mulher na política ultrapassa os estereótipos dos meios de comunicação e exige novas representações para combater preconceitos (Foto: Kleyton Silva)

Um exemplo dessa realidade é a publicação da charge feita para o portal do jornal Diário do Pará, o DOL, na qual a candidata à prefeitura de Belém, Úrsula Vidal, da Rede Sustentabilidade, a única mulher ilustrada, aparece de maneira fetichizada em um ringue, enquanto os candidatos são os lutadores protagonistas. A inferiorização da mulher na política não se encerra em um único caso, no entanto. Se pegarmos um curto espaço de tempo, veremos outros exemplos.

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) foi alvo do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), quando este disse que não a estupraria, pois era “feia”. Em uma plenária, a deputada federal Jandira Feghali teve o braço segurado e foi jogada para trás pelo deputado Roberto Freire (PPS-SP); e, durante o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, não eram feitas apenas alusões a sua atuação política, mas também xingamentos misóginos que chegavam a questionar até mesmo sua sexualidade e aparência física.

Essa liberdade de expressão que insistem em defender é apenas um simulacro, pois a única liberdade garantida é a de empresa
Neste cenário, podemos criar um mar de problematizações, tamanho o desprezo à condição feminina, mas existem dois pontos latentes a serem destacados: a desqualificação intelectual da mulher e a representação misógina, travestida de humor. Essa liberdade de expressão que insistem em defender é apenas um simulacro, pois a única liberdade garantida, nesse caso, é de empresa e não de imprensa ou, pior ainda, uma opinião individual.

A comunicação enquanto direito público e humano vem conquistando um ordenamento jurídico, principalmente, após o Relatório McBride, de 1980, por isso, ilustrações degradantes não podem ser admitidas. Como enfatizou o professor Venício de Lima, professor de Ciência Política e Comunicação da Universidade de Brasília (UnB), a grande mídia “distorce e omite informações, sataniza movimentos sociais, partidos e grupos de pessoas que não compartilham de seus interesses, projetos e posições e, assim, estimula a intolerância, a radicalização política e o perigoso estreitamento do debate público”.

A charge, longe de corresponder a um tipo de humor inteligente, não contextualiza o debate eleitoral. Alguém que observa a ilustração e não conhece a candidata poderia enxergar ali simplesmente a personagem feminina representada como uma mera ajudante de palco, uma vez que esta se encontra, literalmente, fora da disputa, fora do ringue, com o corpo sexualizado, “vestido” com trajes de banho e exposto; claro, porque o que faz uma mulher se não mostrar o corpo e usá-lo como forma de reconhecimento? 

Parece que ainda não foi concedida à mulher sua permanência na esfera pública; a ela é oferecida a “parte que lhe cabe neste latifúndio” ou o posto de primeira dama
Tipos de mensagens como essas impedem novas possibilidades representativas e criam um vir a ser imposto por homens e vozes que não representam as mulheres, destituindo-as do papel de narradoras de suas próprias histórias. A ilustração, também, secundariza e esvazia a candidata como sujeita, tendo sua exposição corporal como principal signo. O também candidato Cleber Rabelo, do PSTU, emitiu uma nota em suas redes sociais na qual repudia também a charge publicada. “Não podemos admitir que tentem desqualificar ou menosprezar o protagonismo feminino. Não podemos mais admitir a objetificação e a sexualização do corpo das mulheres”, afirmou.

Para a teórica feminista Teresa de Lauretis, no texto “A tecnologia do gênero”, a mídia, assim como a literatura, o cinema e o meio acadêmico, são lugares de produção de sentido e operam como criadores de representações, logo, o lugar do discurso vira um espaço de disputas de significados. Portanto, essa não será a primeira nem a última vez que veremos as reproduções de estereótipos serem justificadas pelo humor e pela capa da liberdade. Parece que ainda não foi concedida à mulher sua permanência na esfera pública; a ela é oferecida a “parte que lhe cabe neste latifúndio” ou o posto de primeira dama.
A formação de hierarquias necessita de uma constante vigilância dos movimentos e a afirmação de um olhar político de denúncia das diferenças

A disputa vai para além do embate eleitoral, trata-se de resistir para garantir os direitos das mulheres, ainda frágeis em legitimidade, e construir a opinião pública enquanto arena democrática. Daí a relevância dos canais alternativos de informação, apoiados pelo engajamento dos movimentos sociais e diversas instâncias, funcionando como atores importantes para a estruturação de uma organização social. 
O cenário político não é promissor, as mulheres ocupam apenas 63 cadeiras, de um total de 594 no Congresso Nacional. Vemos que a formação de hierarquias necessita, portanto, de uma constante vigilância dos movimentos e a afirmação de um olhar político de denúncia das diferenças, que quebre as instituições midiáticas como instâncias únicas da opinião. Esse olhar, de acordo com a crítica literária Beatriz Sarlo, age em mudanças estruturais da esfera pública; “como intervenção para a mudança no terreno dos discursos e das práticas, o novo também se vê obrigado a produzir o seu lugar”.

Gabriela Sobral é graduada em Comunicação Social – Jornalismo e mestranda em Patrimônio Cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Possui pesquisas nas áreas de gênero e educomunicação, com o trabalho “Viva Maria: uma voz em prol das mulheres no rádio” e coordena os projetos “Leia Mulheres – Belém” e “Imaginárias – um encontro entre narrativas imagéticas e literárias com referência no trabalho de escritoras”.

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última