Premiações reconhecem atuação do portal Outros400 na defesa dos direitos humanos em Belém

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

                                                                                                                                Em pouco mais de um ano de atuação, o portal Outros400 recebeu duas premiações e uma indicação pelas reportagens publicadas. No decorrer de 2016, a pauta jornalística do portal abordou a questão racial, movimentos feministas, o protagonismo da periferia e a violência contra populações marginalizadas em Belém.

Durante a comemoração pelos 400 anos de Belém, de 2015 a 2016, a equipe do portal Outros400 realizou a cobertura dos eventos oficiais, assim como protestos e manifestações de comunidades marginalizadas dentro da capital paraense. Esse foi o caso do projeto “Gueto 400 anos: a periferia atenta”, realizada por uma articulação de movimentos dos bairros periféricos de Belém, criticando a ausência do poder público nessas áreas.

Às vésperas do aniversário de Belém, jovens de bairros da periferia gravaram um vídeo-manifesto em que criticam a criminalização da população pobre. (FOTO: Moisés Sarraf)

Uma das reportagens premiadas foi sobre o caso de refugiados nigerianos em Belém. A situação de jovens advindos da Nigéria foi denunciada à equipe Outros400, que passou a conhecer suas realidades. A reportagem revela o caso de um grupo de nigerianos fugidos de um contexto de conflitos armados, em especial da perseguição do grupo fundamentalista Boko Haram. Eles escaparam de seu país viajando clandestinamente em navios. Dois deles vieram parar em Belém, pediram asilo e aceitaram falar com o Outros400.

“A ausência de políticas específicas e apropriadas para reintegrar esses imigrantes ao mercado de trabalho, além do racismo que sofrem ao chegarem em Belém, foram alguns dos pontos que tornaram essa pauta muito importante para nós”, informa Abílio Dantas, repórter do portal. A reportagem foi a terceira colocada na categoria webjornalismo do Prêmio Paraense de Jornalismo e Direitos Humanos, realizado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Sindicato dos Jornalistas do Pará.

No mercado do Ver-o-Peso, Michael Nwaeke, 26 anos (à esquerda), e John Emmannuel, 28 anos, contaram à reportagem do Outros400 como chegaram a Belém. (FOTO: Klewerson Lima)

Outra reportagem premiada foi fruto da cobertura sobre a questão afrorreligiosa em Belém. Em dois meses de investigação, reportagem do Outros400 revelou uma série de assassinatos de lideranças de religiões de matriz africana na capital paraense. A reportagem foi a primeira colocada no Prêmio Paraense de Jornalismo e Direitos Humanos, também na categoria webjornalismo.

“Apesar de alguns assassinatos de pais de santo terem sido noticiados anteriormente, os veículos de comunicação de Belém ainda não tinham tratado esses fatos como parte de um só contexto de racismo institucional e intolerância religiosa. Nesse sentido, fomos pioneiros”, afirma também Abílio Dantas.

Ainda em 2016, o portal Outros400 teve uma indicação no prêmio da Federação das Indústrias do Pará (Fiepa). O jornalista Moisés Sarraf, da equipe Outros400, foi indicado na categoria melhor repórter de webjornalismo. A indicação foi feita por uma banca de profissionais com experiência na área no Estado do Pará.

Para contribuir com a continuidade desse trabalho, conheça a campanha de financiamento coletivo do portal e participe da expansão do jornalismo independente na Amazônia.

SERVIÇO

Campanha Reportagem Outros400

Período: 16 de Abril a 16 de Junho

Contato: (91) 98866-0352 / (91) 98165-4577

Link: https://www.catarse.me/reportagemoutros400

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última