Em meio ao debate eleitoral, economistas discutem ações para o desenvolvimento da Amazônia

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
A Amazônia ocupa 60% do território brasileiro, no entanto, representa apenas 9% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Com a proximidade das eleições do Brasil, espera-se que dados como esse sejam tratados com profundidade no debate público. Nesse momento de dúvidas e proposições, o Grupo de Estudos sobre Desenvolvimento da Amazônia (Gedam), formado por economistas da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), lança o livro “Reflexões acerca do desenvolvimento da Amazônia no século XXI”. A obra pretende provocar novas análises e discussões sobre o assunto.
 
O livro é a primeira produção do Gedam, grupo de estudos que pesquisa políticas públicas voltadas ao desenvolvimento da Amazônia (Foto: Kleyton Silva)
 
Segundo Mário Vasconcellos Sobrinho, do Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (NUMA/ UFPA), autor da apresentação do livro, os artigos que compõem a publicação apontam melhoras nas políticas para a região. O pesquisador afirma que “os dados, informações e reflexões apresentadas no conteúdo dos artigos dão uma sensação de que avançamos muito em termos de desenvolvimento regional, mas ainda temos muito que caminhar”. Kléber Antônio da Costa Mourão, economista da Sudam, presidente do Conselho Regional de Economia do Pará/ Amapá (Corecon-PA/AP) e um dos organizadores do livro, concorda com a avaliação, sobretudo com a ideia de que é preciso propor caminhos inovadores e soluções para a Amazônia.
 
Ainda estamos bem abaixo da média nacional de desenvolvimento”, constata Kléber Mourão
 
Infelizmente, a Amazônia ainda é tratada como o almoxarifado do país, apenas como exportadora de matéria prima. Não é razoável que a região, que representa 60% do território nacional, resulte apenas em 9% do Produto Interno Bruto (PIB)”, destaca Mourão. O economista acrescenta ainda que as políticas para Amazônia precisam considerar o baixo desempenho dos municípios da região nos índices de desenvolvimento. “Ainda estamos bem abaixo da média nacional”, constata.
 
De acordo com o economista Sérgio Felipe, também organizador da obra, é necessário modificar o olhar sobre o território amazônico e demarcar qual visão de desenvolvimento está sendo defendida para a região. Para ele, só assim será possível modificar o cenário atual. “A Amazônia possui desafios que não podem ficar fora da agenda do governo federal. O desenvolvimento que queremos chamar a atenção é o das regiões mais carentes no Brasil”, explica.
 
O percurso das análises parte do estudo de desafios da Política Nacional de Desenvolvimento Regional
 
O trabalho desenvolvido pelos organizadores e demais autores tem como principal objetivo analisar o desempenho das instituições ligadas à Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR) na Amazônia, entre os anos 2007 e 2016. A PNDR rege as ações coordenadas na área do desenvolvimento entre os governos federal, estadual e municipal em todo o país.
 
Procurando conduzir reflexões sobre essas políticas na região amazônica, a publicação é dividida em sete capítulos, originados de sete artigos. O percurso das análises parte do estudo de desafios da PNDR, analisando instituições que a compõe, como o Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). O livro investiga, ainda, os efeitos da crise econômica na política regional brasileira e as relações entre economia e meio ambiente. Por fim, traz novas propostas para as instituições de desenvolvimento regional.
 
Sérgio Felipe, economista, destaca que os artigos da obra foram apresentados anteriormente em eventos acadêmicos. (Foto: Kleyton Silva)
 
Kléber Mourão conta que a ideia da publicação surgiu da constatação de que servidores da Superintendência possuíam estudos acadêmicos aprovados em congressos e revistas científicas. A proposta, que começou com a iniciativa individual dos autores, passou a ser um projeto coletivo.
 
“Achamos oportuna a organização do livro e marcar com ele a primeira produção do grupo, que intitulamos Gedam”, conta Sérgio Felipe. O grupo ainda não faz parte de nenhuma organização específica de pesquisa, mas possui o apoio da Sudam e do Corecon PA/AP. E deverá ser formalizado em breve.
 
O lançamento do livro “Reflexões acerca do desenvolvimento da Amazônia no século XXI” será nesta sexta-feira, 10, às 10h, no auditório da Sudam, que fica na travessa Antônio Baena, 113. Após o evento, os interessados poderão adquirir a publicação pelo telefone (91) 4004-5742, pelos sites http://www.sudam.gov.br/  e https://www.coreconpara.org/ e na livraria FOX a partir do dia 11 de agosto.

Continue lendo...

Guajajara

Sônia Guajajara foi recebida com um canto de saudação na sala da Associação dos Povos Indígenas Estudantes na Universidade Federal do Pará (APYEUFPA), na última